Buscar
  • William Salles

8 MORTES POR DIA! A VERDADE QUE NINGUÉM CONTOU A VOCÊ SOBRE OS ACIDENTES DE TRABALHO


As estatísticas divulgadas pela previdência social sobre acidentes de trabalho no Brasil assustam. Apenas no período entre 2012 e 2014, foram registrados 2,1 milhões de acidentes de trabalho no país, sendo que este número pode ser muito maior.

Impressionado com os dados, resolvi averiguar melhor o que está por trás destes acidentes. Confesso que me surpreendi bastante com os resultados desta pesquisa.

Continue lendo este artigo para saber quem paga esta conta.


Veja os números....

​- VEJA TAMBÉM O KIT COMPLETO PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO -



NÚMEROS DOS ACIDENTES DE TRABALHO NO BRASIL


Em média, aproximadamente 715 mil acidentes de trabalho acontecem no Brasil todo ano. Estes números afetam toda a sociedade, conforme você verá mais abaixo.



#1 Atividades Que Mais Acidentam


Disparado em 1º lugar, a atividade que mais acidentou trabalhadores em 2014 foi a de serviços de saúde, mais especificamente em hospitais, seguido pela construção civil e comércio varejista (supermercado, hipermercado, etc).


Apesar de a atividade hospitalar ser um alvo constante da fiscalização de diversos órgãos reguladores e possuir uma NR específica (NR-32), esta atividade registra o número mais elevado de acidentes de trabalho do país, principalmente por conta da exposição à agentes biológicos.



#2 Relação por Sexo


Nesta comparação observa-se que os principais acidentados são da população masculina.


Embora a presença do homem no mercado de trabalho seja maior (56% homens e 46% mulheres), a diferença é maior quando se compara a porcentagem de acidente de trabalho.


Portanto, proporcionalmente os homens se acidentam mais do que as mulheres. Entretanto, para compreender melhor a razão destes números é necessário um estudo mais detalhado.


#3 Por Faixa Etária


A faixa etária em que os trabalhadores mais se acidentam está entre os 20 e 39 anos. Porem, esta faixa também se assemelhar com a distribuição da população economicamente ativa do país.

#4 Período do Ano


Duas situações me chamaram bastante a atenção neste gráfico. No período avaliado (2012 a 2014), os meses de agosto e outubro são os meses que mais registraram acidentes de trabalho.


Já o mês de dezembro, talvez por influência do período de férias, a média histórica de acidentes é mais baixa que os demais meses.


#5 Consequências dos Acidentes

A consequência dos acidentes de trabalho se forma na proporção indicada na pirâmide. Uma outra maneira de enxergar esta relação é que: para cada 38 acidentesleves” ocorridos (assistência médica), 1 morte é registrada.


#6 Partes do Corpo Mais Atingidas

*multipar por mil


Conforme mostrado na imagem, as partes do corpo mais atingidas por conta de acidentes de trabalho são os dedos e as pernas. Se levarmos em consideração o período de 2007 a 2014, o somatório somente de dedos lesionados chegou a 1 milhão!​​


TERCEIRIZADOS


Embora no mercado formal 26,8% dos trabalhadores sejam terceirizados, de acordo com levantamento da CUT – Central Única dos Trabalhadores, estes mesmos indivíduos correspondem por 80% dos acidentes de trabalho ocorridos.​


E QUEM PAGA POR ISSO?


Todo acidente de trabalho gera prejuízo, seja psicológico, físico ou financeiro. Porém, este último tem seu custo rateado por toda população, através de gastos absorvidos pelo governo.


Somente entre 2007 e 2013, calcula-se que os gastos da previdência social com benefícios e indenizações chegaram a casa dos R$ 58 bilhões.


Além disso, existem também outros gastos associados que não são quantificados:

  • SUS – Atendimento do acidente

  • Justiça – Ações que vão parar nos tribunais


Já as empresas também arcam em muito com os custos dos acidentes de trabalho. Dentre estes custos estão:

  • Atendimento de primeiros socorros

  • Danos e perdas de máquinas equipamentos

  • Interrupção da produção

  • Contratação e retreinamento de mão-de-obra

  • Hora-extra

  • Recuperação do empregado

  • 15 primeiros dias de salário do acidentado

  • Aumento do FAP – Fator acidentário de Prevenção

  • Outras despesas administrativas

  • Multas de órgãos governamentais


O economista José Pastore, especialista em Relações do Trabalho e Recursos Humanos, calcula que o país perde por ano cerca de R$ 71 bilhões por conta dos acidentes de trabalho. Nesta conta, Pastore levou em consideração os custos para as empresas, previdência social e sociedade.


CONCLUSÃO



Embora o número de acidentes de trabalho seja elevado e os custos associados afetem a todos, podemos observar que ainda estamos longe de trilhar um caminho para um ambiente de trabalho mais seguro nas empresas brasileiras, de forma a garantir que os trabalhadores voltem para seus lares com a mesma saúde que foram trabalhar.


O ministério do trabalho, por mais que tente atuar de maneira ativa através de normatização e fiscalização, esbarra em empresas cuja cultura de segurança ainda é imatura, onde só se procura fazer o que está na lei e o pensamento é de que acidentes são inerentes ao trabalho.


Neste blog quero apresentar a você conteúdos que irão ajuda-lo a tornar o ambiente de trabalho da sua empresa um lugar mais seguro, e ainda fazer com que você, profissional de segurança, se destaque no mercado.



​- VEJA TAMBÉM O KIT COMPLETO PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO -



Fique por dentro das novidades do site. Comente sobre este artigo e inscreva-se:


Você também pode compartilhar este artigo nas redes sociais:


200 visualizações